top of page

Quem são os profissionais que podem trabalham com acessibilidade digital? - Parte 1


Grupo diversificado de profissionais, incluindo um desenvolvedor web, designer, estrategista de conteúdo e consultor de acessibilidade, destacando a abordagem colaborativa para a acessibilidade digital.

Como seu site pode incorporar a acessibilidade digital? Afinal, com páginas web mais atrativas, você atingirá uma audiência mais qualificada.


Ou seja, uma estratégia digital bem implementada pode atrair clientes muito mais propensos a comprar de você. Por isso, garantir que seu site seja bastante acessível e acolhedor faz toda a diferença!


Sua equipe precisa contar com os profissionais com um mindset diferenciado e uma mentalidade focada em inclusão digital.

 

Além disso, seu time precisa ter o know-how e as competências necessárias para agregar essas características no seu negócio. Esse primeiro texto apresentará uma categoria de profissionais que podem apoiar seu empreendimento na missão de alcançar pessoas com deficiência. 


Basta que o know-how deles seja adaptado para essa finalidade.


O propósito é explicar como o saber técnico qualificado pode fazer sua proposta de valor se expandir no mercado.


Quem classifica os profissionais?


O site CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) descreve as atividades econômicas das profissões, bem como traz a nomenclatura de cada uma delas. É de extrema importância para usos governamentais!


As informações são usadas para a integração das políticas públicas focadas em emprego, trabalho e previdência social. 


O Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações é a categoria profissional analisada neste texto.


Ele pode receber o título de desenvolvedor web, entre outras nomeações. A atuação dele é muito promissora para a transformação online! Confira algumas áreas de atividades e certas atividade mais especificadas:

  • A área de atividades “Desenvolver sistemas e aplicações” envolve as atividades:


  1. Desenvolver interface gráfica;

  2. Aplicar sistemas de rotinas de segurança;

  3. Testar programas e aplicativos;

  4. Documentar sistemas e aplicações;

  5. Elaborar casos de testes;

  6. Avaliar desempenho dos produtos.


  • A área de atividades “Projetar sistemas de aplicação” envolve as atividades:

  1. Identificar demanda do cliente;

  2. Coletar dados;

  3. Participar da definição da interface de comunicação e interatividade;

  4. Definir requisitos.


Como essas atividades colaboram com a acessibilidade digital?


São diversas formas que essas atividades podem acrescentar no acesso de sites e abraçar a diversidade. Por exemplo:


  • O desenvolvimento de interface gráficas exige contrastes suaves e que não atrapalhem pessoas com baixa visão;

  • Sistemas de segurança podem melhorar a performance de sites, o que atrai mais audiência. Ofereça um conteúdo de alta relevância que as pessoas se apaixonarão pela sua oferta; 


  • Testar programas e aplicações envolve coletar feedbacks de pessoas com deficiência para identificar possibilidade de melhora na navegabilidade;

  • A tarefa de documentar sistemas e aplicações pode envolver registrar soluções em acessibilidade digital. Se a inclusão for um item previamente documentado e registrado, terá maior importância na projeção de sistemas. Só esse fato já tem potencial para difundir uma cultura de acolhimento e acessibilidade para toda a equipe de desenvolvedores;

  • Elaborar casos de testes exige a participação da usuária e do usuário. As equipes de desenvolvedores terão oportunidade de projetar casos de testes específicos para pessoas com deficiência;


  • Os sistemas, produtos e aplicações precisarão passar por um rígido controle de qualidade. Logo, essa atividade exige que seja oferecida uma boa navegabilidade e manuseio para pessoas com diferentes perfis.


  • Definir as demandas da persona com e sem deficiência. Assim, ambos os públicos serão contemplados;


  • Coletar dados pode ser uma boa prática para projetar sites cada vez mais acessíveis;


  • A definição de requisitos é outra tarefa específica para projetar sistemas e sites acessíveis e de fácil usabilidade e navegabilidade;


  • Definir a interface entre comunicação e interatividade é fundamental para garantir uma experiência digital otimizada para variados públicos.


Esses são exemplos de áreas de atividades que englobam atividades que estão alinhadas com o desenvolvimento web e a acessibilidade tecnológica.   

Há muito mais! Mesmo assim, já é possível perceber que sem a priorização da pauta da diversidade, não há projeção de sites acessíveis.


Sem um posicionamento formal da empresa alinhada com a inclusão, tecnologias continuarão sem focar em um acesso equitativo.


Portanto, mais do que conhecimento em tecnologia, precisamos de times conhecedores do contexto do cliente e mercado! Uma cultura de respeito e empatia deve ser alinhada com cada ação, projeto e tarefa!


Acesse o coração do seu cliente e esteja Perto do mercado!


Diferenças humanas precisam ser naturalizadas com o uso da tecnologia e do online!


A Perto Digital oferece um conjunto de plugins que agregam acessibilidade digital para o seu negócio. Sua marca empreendedora estará mais conectada com o contexto do mercado.


Ofereça uma experiência digital incrivelmente fácil e simples posicionando sua empresa como aliada da inclusão online.


Converse com nossos times de vendas e fique sabendo de todos os benefícios da nossa proposta.



Commentaires


© 2024 Perto Digital. Todos os direitos reservados

bottom of page