top of page

O marketing precisa pensar em acessibilidade digital?



O marketing é uma poderosa conexão entre proposta de valor e os clientes.


Com o discurso certeiro, a equipe de marqueteiros da sua empresa pode tocar a alma do seu consumidor.


Agora, no mundo digital, muitos recursos podem otimizar a performance da sua comunicação. Por isso, este post vai tratar dos seguintes aspectos:


- O que é Acessibilidade Digital?

- O profissional de marketing precisa se preocupar com isso?

- E se ele não se preocupar, o que acontece?


São pontos imprescindíveis para apresentar seus diferenciais através de uma mensagem empática e bastante persuasiva. Afinal, empresas com um bom marketing conseguem fechar vendas com maior facilidade e resolver as dores da persona.


O acesso é digital


A evolução da tecnologia acompanha a mudança nos hábitos de compra e o modo como se faz marketing.


Só que algumas coisas não mudam, afinal, as ações dos marqueteiros sempre terão focos em aspectos como:


  • descobrir uma dor do cliente;

  • explicar a proposta de valor de uma forma genuína e de fácil assimilação;

  • gerar engajamento, construir relacionamentos e fechar a compra;

  • consolidar a fidelização.


Assim, o marketing tem muito o que ganhar se incorporar a acessibilidade digital!

O texto “WCAG 101: Compreendendo as Diretrizes de Acessibilidade de Conteúdo da Web” esclarece esses motivos:


  1. As Diretrizes de Acessibilidade de Conteúdo da Web (WCAG) visam fazer com que sites, documentos eletrônicos, blogs, aplicativos e demais ativos digitais facilitam o uso por pessoas com deficiências sensoriais, intelectuais, físicas e de aprendizagem;

  2. A WCAG abarcam uma série de critérios que programadores devem seguir para simplificar o acesso das pessoas com deficiência;


São exemplos de boas práticas de conteúdos que seguem a WCAG:


  • Imagens acompanhadas por textos que descrevem esses componentes visuais para que pessoas com deficiência visual possam identificar e entender essas imagens;

  • Os usuários devem ser capazes de navegar em sites sem usar o mouse. O uso da botão “tab” já deve ser o suficiente para avançar em qualquer página;

  • As páginas da Web devem conter uma estrutura de nível de cabeçalho adequada para que os usuários com leitores de tela possam desfrutar de uma navegação simples.

Enfim, o texto citado comenta que a WCAG é destinada para todos os profissionais que atuam com criação de conteúdo virtual. Logo, a acessibilidade digital pode ser definida como a experiência do usuário projetada para acolher pessoas com deficiência a partir de critérios e parâmetros.



Por que o marketing digital deve ser acessível?


O principal motivo é conquistar mais clientes! Um marketing focado em atender as necessidades específicas, assim como uma navegabilidade mais amigável e intuitiva são experiências que atraem um maior número de consumidores.


Que tal aplicar os princípios do WCAG no marketing digital para entender melhor esse contexto:


a) perceptível: sua mensagem deve ser compreendida por qualquer usuário. Para isso, você pode fazer uso de legendas para áudio, textos que descrevem imagens, artigos em blogs que podem ser redimensionados sem perda de conteúdo ou funcionalidade.


b) Operável: sites plenamente acessíveis por mouse, teclado ou comando de voz. Blogs que explicam sobre seus produtos e serviços são exemplos de um marketing que incorpora o princípio do operável.


c) Compreensível: informações que são assimiladas pelo usuário sem dificuldade, mesmo se ele tiver algum impedimento ou deficiência.


d) Robustez: seu site deve acompanhar a evolução das tecnologias assistivas. Uma tecnologia assistiva apoia as pessoas com deficiência nas atividades dela. Assim, seu site deve ser compatível com novos plugins que oportunizam uma navegabilidade fácil.


Por que o marketing digital deve ser acessível?


Muitas legislações incorporam o conceito de acessibilidade digital. Assim, organizações que não apresentam sites inclusivos podem ser penalizadas.

O artigo 63 da Lei 13.146, de 6 de julho de 2015 diz:


“É obrigatória a acessibilidade nos sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente.”


Já o § 1º do artigo 69 da mesma Lei diz:


“1º Os canais de comercialização virtual e os anúncios publicitários veiculados na imprensa escrita, na internet, no rádio, na televisão e nos demais veículos de comunicação abertos ou por assinatura devem disponibilizar, conforme a compatibilidade do meio, os recursos de acessibilidade de que trata o art. 67 desta Lei, a expensas do fornecedor do produto ou do serviço, sem prejuízo da observância do disposto nos arts. 36 a 38 da Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 .”

A leitura dos trechos da lei acima não deixam dúvida. É possível concluir que quem não incorpora a acessibilidade no marketing pode sofrer uma sanção legal.


Como você pode oferecer um marketing alinhado com a lei e as necessidades do cliente?


O Perto Digital oferece uma gama de plugins capazes de tornar seu site muito mais acessível, o que potencializa o seu marketing digital. Nossa tecnologia oferece uma experiência que segue os critérios de ser perceptível, operável, compreensível e robusto.


Fale com nossos consultores para verificar como a proposta do Perto Digital pode agregar no seu marketing e posicionamento digital.







Comments


© 2022 Perto Digital. Todos os direitos reservados

bottom of page